As Fotos de Elisa

Como tudo começou? Ah, foi numa manhã de segunda feira, eu tava sentada bem aqui, mesmo, e Elisa chegou com um sorriso desse tamanho assim. Ela estava começando a curtir a vida de solteira, depois de uma separação traumática que se arrastou durante alguns meses. Tinha passado o feriadão em Jericoacoara, com suas amigas do curso de canto. Contou que conheceu um carinha por lá e pegou o celular pra me mostrar as fotos. Quase o deixou cair no chão quando encontrou uma foto dela mesma, dormindo em sua cama, na noite anterior.

Depois que o susto passou, chegamos à conclusão de que ela deveria ter chegado tão cansada e cheia de bagagem no domingo à noite que acabou esquecendo a porta aberta. Daí algum maluco do prédio entrou, tirou a foto e saiu. De manhã, talvez não tenha nem reparado que a porta ainda estava aberta. No fim do dia fui com ela até a delegacia para fazer um boletim de ocorrência, onde tivemos que aturar o risinho debochado do escrevente, que achou que ela tava de brincadeira.

Chegou no trabalho no dia seguinte com os olhos saltados. Garantiu que tinha trancado a porta e dormido à base de calmante, mas quando foi olhar o celular de manhã lá estava outra foto sua, tirada naquela madrugada. Mal conseguiu trabalhar, a coitada. Eu tentei convencê-la de todas as maneiras a ir dormir na minha casa, mas nada deu jeito. Insensível aos meus protestos, decidiu ir pra casa, dizendo que iria virar a noite à base de café e energéticos.

E assim fez. Saiu da oficina, passou no mercado, encheu o carrinho com as bebidas mais fortes que encontrou e foi pra casa. Foi a primeira a chegar no dia seguinte e tinha olheiras de dar dó. Mas dizia estar mais tranquila, porque viu o dia amanhecer tomando um energético atrás do outro e ninguém tinha entrado no apartamento. E pegou o celular para provar.

Seu grito assustou a todas. Lá estava uma nova foto, ela de costas, enquanto tomava banho naquela mesma manhã. Nossa diretora deu o dia de folga pra ela e finalmente consegui convencer Elisa a ir pra minha casa e dormir por lá. Ela falou que ia passar em seu apartamento para pegar umas roupas e depois iria pra minha casa.

Assim que ela saiu, liguei para minha esposa para avisar. Nós já tínhamos conversado sobre o que estava acontecendo e ela tinha apoiado a ideia de receber a Elisa por uns dias. Pedi para que me ligasse quando ela chegasse por lá, pra me deixar tranquila.

Quem acabou ligando fui eu, porque não tinha como a Elisa não ter chegado lá em casa ainda... já era mais de meio-dia! Paula me falou que, realmente, nem sinal dela. Liguei pra Elisa.

Com a voz trêmula, pediu desculpas por ter mentido pra mim e disse que tinha saído da cidade. Estava com medo de estar sendo perseguida por alguém e decidiu fugir por uns dias. Disse que foi de carro até a rodoviária, comprou uma passagem para não-me-disse-onde e já estava longe. Falou que ia se trancar em um hotel pra ver se as fotos paravam.

A polícia a encontrou seis dias depois. Tinha se enforcado dentro do quarto dum hotel de beira de estrada perto de Blumenau. A seus pés, encontraram seu celular.

Nele, a foto mais recente era de seu corpo pendurado no quarto do hotel.

A Negação de Gaia

A grega Nadine era cidadã de uma sociedade que venerava Gaia, a deusa-maior.

Muito criticada por todas, negava-se a acreditar em sua existência e sua influência sobre a sua vida. Acreditava que suas alegrias e tristezas eram reflexo de suas próprias ações e decisões e, também, fruto de simples sorte ou azar. Apesar dos protestos de amigas e da família, recusava-se a reconhecer Gaia como sua grande benfeitora.

Morreu aos 96 anos, próspera e feliz, cercada pela família e por suas amigas mais próximas.

O que desejo para dois mil e quinze

Desejo pra você um ano novo de muita tranquilidade. Que 2015 seja um ano de ouvir mais e falar menos. Que você tenha mais paciência com as faltas dos outros. Nem sempre elas são faltas. E que você reconheça as suas.

Que você seja uma pessoa menos egoísta e mais generosa. Que doe sangue e que faça o bem sem esperar pelos holofotes do reconhecimento. Que você faça varias pessoas sorrirem. Que você aprenda a conversar sem se tornar o centro da conversa, sem tentar dominar os diálogos, sem tentar "ganhar" a conversa. Que você pense mais no coletivo e menos no individual. Que você entenda que quanto melhor para todos melhor pra você. Que você aprenda que é melhor comer ovo frito com os amigos que comer filé mignon sozinho.

Espero que os ímpetos de responder com agressividade ao que te incomoda sejam refreados. Pôr lenha na fogueira só ajuda quando você quer se aquecer. Que você pense duas vezes antes de agir intempestivamente. Ou, melhor ainda, que você tenha boas reações de primeira, sem a necessidade de pensar duas vezes para fazer o bem.

Que em 2015 você tenha amigas por perto. Não apenas porque elas vieram ate você. Mas também porque você foi ate elas. Que você procure mais do que foi procurada.

Que suas crenças ou ausência delas sejam respeitadas. Que não tentem te convencer de que sua filosofia de vida é errada. E que você não tente fazer o mesmo com os outros. Que você viva em um mundo onde as diferenças sejam respeitadas, ao invés de atacadas. Que você seja capaz de respeitar ao invés de condenar.

Que você possa olhar pra trás e ver que viveu e não apenas existiu. Que escolheu o que fazer e não apenas reagiu aos percalços da vida. Alias, que você tenha a oportunidade de poder escolher, e que reconheça que há pessoas que não tem este poder.

Que você não tenha atitudes preconceituosas, racistas, machistas, homofóbicas ou coisa parecida. Que você ajude a fazer da vida em comunidade um ambiente agradável de se viver. Que você viva em um mundo com menos desigualdades. Um mundo menos poluído. Um mundo menos barulhento. Um mundo menos violento. E que você seja parte do motivo para isso acontecer.

Que você aprenda que tudo é temporário, o bom e o ruim. Que você saiba perder e saiba ganhar. Que você não tome decisões importantes quando estiver com muita raiva com muita tristeza ou com muita alegria.

Que seus pais e seus amigos tenham orgulho de você. Que você seja a inspiração de outras pessoas. Mais disposta a dar do que a receber.

Que minta menos. Que julgue menos. Que odeie menos. Que pragueje menos. Que condene menos. Que ignore menos. Que esqueça menos. Que franza menos a testa.

Que você apenda a mudar de hábitos. E que aprenda que não precisa esperar por datas específicas para tomar decisões importantes e mudar de hábitos. E, por fim, que aprenda que primeiro de janeiro não é uma data em que dá reset na vida, como se tudo fosse magicamente mudar de uma hora pra outra sem necessidade de esforço pessoal.

Feliz ano novo.